image_pdfimage_print

José Saramago, A Caverna.

“Terás então de ler doutra maneira, Como, Não serve a mesma para todos,
cada un inventa a sua, a que lhe for própria, há quen leve a vida
inteira a ler sem nunca ter conseguido ir mais além da leitura, ficam
pegados à página, não percebem que as palavras são apenas pedras postas
a atravessar a corrente de um rio, se estão ali é para que possamos
chegar à outra margem, a outra margem é que importa, A não ser, A não
ser, quê, A não ser que esses tais rios não tenham duas margens, mas
muitas, que cada pessoa que lê seja, ela, a sua própria margem, e que
seja sua, e apenas sua, a margem a que terá de chegar.”

 

SARAMAGO, José: A Caverna, Lisboa, Caminho, 2000, p. 77.

Tendrás, entonces, que leer de otra manera, Cómo, No sirve la misma para todos,
cada uno inventa la suya, la que le sea propia, hay quien lleva la vida
entera leyendo sin haber conseguido nunca ir más allá de la lectura, quedan
pegados a la página, no perciben que las palabras son sólo piedras puestas
atravesando la corriente de un río, si están allí es para que podamos
llegar a la otra orilla, la otra orilla es la que importa, A no ser, A no
ser, qué, A no ser que esos ríos no tengan dos orillas, sino muchas, que cada
persona que lee sea, ella misma, su propia orilla, y que sea suya, y sólo suya,
la orilla a la que tendrá que llegar.